Sabor da Independência

91

Sabor da Independência

Como assim, dever satisfação?
Pra quem tanto nos explorou,
Tirou de nossa terra o que pode
E das riquezas pouco sobrou.

Sábio aquele que reconhece
O momento de deixar para trás,
Romper com o que não serve
E sonhando em um dia ter Paz.

“Independência ou morte!” gritou,
Bradando as margens do Ipiranga,
Chega das ordens de Portugal
Nessa terra é a gente quem manda.

Uma história criada com lutas
São marcas de nossos  ideais,
Dom Pedro I ficou no Brasil
Obedecer aos outros, nunca mais.

A sensação de independência
Surge de uma forte necessidade,
Em definir novos rumos pra nós
De criar nossa própria identidade.

Independência é não dar satisfação
Quando já é possível andar sozinho,
Sabendo exatamente o que quer
Assim criar nosso próprio caminho.

Fazer nossas próprias escolhas
Decisões de nossos interesses,
O que passou, fica na história
Respeito aos irmãos portugueses.
Se olhamos para nosso passado
Temos orgulho de ver o caminho,

Ao olhar para o futuro a certeza
De que nunca estaremos sozinho.

Ainda temos muito a melhorar
Talento de sobra, recursos sem fim,
Contribuir com essa Pátria querida
É uma missão, está dentro de mim.

Lembrando que a independência
É apenas a do Brasil,
Pois eu dependo dessas terras
Como o peixe depende do rio.

Eu duvido que exista no planeta
Lugar onde tenha tanto de tudo,
Essa Pátria merece ser honrada
Em cada canto desse mundo.

Quem deixa sua Pátria de lado
Deixa a si mesmo pelo caminho,
E se um dia retrocedermos
Não reclame se estiver sozinho.

Por fim, e sobre os dias vindouros,
Muitas batalhas ainda virão,
Falo de peito aberto e sem medo
Eu acredito no futuro da Nação.

Facebook – Alan Barroso Vieira

Instagran – @alan.barroso.vieira

            @a_umpoema